Feminismo, Humorfina

5 formas de me ofender com sucesso

Esses dias, contestei uma postagem que achei machista, de uma pessoa que gosto/admiro. Recebi, como comentário do meu comentário, assim: “que chata”. Não sei se a pessoa tentou me ofender, mas ela não conseguiu. Aí, eu que sou generosa, fiquei me perguntando se eu não podia fazer algo por essa pessoa que queria tanto me machucar. Daí resolvi elaborar essa lista de 5 formas bem sucedidas de me ofender:

1. Não me chame de gorda, diga que eu nunca terminei de ler “Os Sertões”.
É recorrente que as pessoas, quando querem me ofender, me chamem de gorda. Fico me perguntando, mas peraí: eu escrevo para o Maggníficas, JUSTAMENTE um blog que fala sobre ser gorda. Eu uso gorda como modo de me definir, eu peso mais de 90 quilos, eu uso manequim 46/48, OU SEJA, sou gorda. Como também sou branca, como também tenho pés grandes: são várias características físicas. Como é que a pessoa acha que me chamando de gorda ela poderia estar me ofendendo?

 

Resultado de imagem para gif adele
migo, não está ofendendo
 
Em contrapartida, eu me sinto a professora de literatura mais fajuta quando falo da treta jornalismo X literatura sendo que NUNCA, nunquinha, nenhuma vezinha, eu terminei de ler o clássico do Euclides da Cunha. Aí, é meu ponto fraco.

2. Não me chame de feminista, diga que eu não sei – nem nunca saberei – falar alemão.

Na mesma lógica da “gorda”, tentam me ofender me chamando de uma bandeira que eu carrego comigo, a do feminismo. Não entendo como eu posso ter escrito um LIVRO sobre o assunto e alguém achar que isso me ofende de alguma forma. Ah é, tem a vertente vaca feminista. Meu deus, vacas são tão fofas, por que eu me ofenderia?

  Resultado de imagem para gif feministaisso é exatamente no que acredito

 Que me ofender? Não diga que eu sou feminista, porque isso eu sou mesmo, diga assim: você já tentou, mas é incapaz de aprender alemão. Sou mesmo, que língua difícil, meu deus!

 3. Não me chame de chata, diga que eu erro sempre o ponto dos doces

Vamos lá, primeiro. Uma definição sobre “chato(a)”:

adjetivo substantivo masculino

fig. que ou o que é maçante, enfadonho ou insistente; que ou o que aborrece, perturba ou preocupa.

Maçante, enfadonho, para uma pessoa que fala bosta, eu quero ser. Insistente, perturbadora e preocupante para alguém que acredita o oposto do que eu acredito: É MEU MAIOR OBJETIVO.

Eu amo ser chata. Eu tento aperfeiçoar todos os dias minha chatice, sabe?

Resultado de imagem para gif feminista

Hermione me representa

Agora se tem um negócio foda é ponto de doce. Cozinho qualquer salgado, mas doce: desanda, fica mole ou duro demais, fica com ou sem açúcar. UM SACO. Nunca haverá um doce meu que as pessoas vão comer e dizer: arrasou!

4. Não me chame de “sapatão”,  diga que eu já tive crush no Maurício Mattar 

 Eu não sei em que mundo a orientação sexual de alguém é ofensiva. Mentira, sei sim,  no mesmo em que Bolsonaro é bem aceito: um mundo burro, violento, lesbofóbico, escroto. A orientação sexual nunca deve envergonhar alguém. “AH, MAS EU NEM SOU GAY/LÉSBICA”, mas mesmo assim: se te ofende que imaginem que você seja, é porque talvez o lgbtfóbico seja vocezinho.

Resultado de imagem para ruby rose gifpor você, eu dançaria tango no teto

O gênero de quem nos apaixonamos é irrelevante para o nosso caráter, já ter crush no Maurício Mattar

Resultado de imagem para mauricio mattar g

RUN, FORREST, RUN

5. Não me chame de grossa, diga que eu tenho lua em câncer

 É bem comum as pessoas – GERALMENTE HOMENS – dizendo que eu sou grossa, ‘bossy’, mandona. Acho curioso que eu digo exatamente a mesma coisa que eles, mas quando eu digo, de repente, fico GROSSA.

Fico pensando que se grosseria é imposição de ideia, não submissão, não me rebaixar às coisas que supostamente eu fui treinada a me submeter, pois bem: QUE BOM QUE EU SOU GROSSA!

Resultado de imagem para gif feminista

Aliás, certeza que eu tava falando com você?

 Agora, algo que é foda nessa minha personalidade é a lua em câncer: porrã, como eu choro à toa. É vendo bebê cantando, é lendo poema, com homenagem de aluno. Sabe, era pra eu ser uma taurina com ascendente em escorpião toda poderosa e vem ESSA PORRA DE LUA EM CÂNCER E FODE TUDO.

ASSIM NÃO DÁ.

Resultado de imagem para gif feminista

Aqui, bebê, dei todas as dicas de como me ofender com jeitinho, acrescente aí que: eu canto mal, não tenho ritmo, não consigo gostar de whisky e não decorei a ordem do sonho intenso/amor eterno no hino nacional, e pronto: já pode me xingar.

Beijas.

Standard
Cartas d'ela.

Isso tem nome

Tá doendo aí, dói aqui. Às vezes é bom, às vezes não é: até quando não é, é. Faz perder o ar e a razão e arrepia o pelo da nuca. Cabe no colo. Cabe no peito. Cabe na cama. Cama sem jeito, parece que não se ajeita. Dá saudade, mas é bom ficar sozinha. Parece que tem em tudo, parece que preencheu o prato, o copo, a cadeira que gira, o sofá que estica, o chuveiro que não esquenta. E assim preenchendo me deixa assim ser minha. Eu só quero o leve da vida pra te levar.  Toca no rádio, no celular, no chuveiro. Lembra no colar, no batom, no espelho. Esse texto é pra você, meu bem querê. Percebeu, ou quer que eu desenhe? Não sei desenhar, nem célula. Só sei cozinhar e te fazer repetir. Repetir que gosta de mim, também. Tem que falar que gosta, sim. Tem que escrever, gritar, olhar pra lua. Olha você tem todas as coisas que um dia eu sonhei pra mim. A cabeça cheia de problemas, não importa…importa sim,  dá nó: a gente não se entende de longe. Você me pede pra não brigar, como se eu brigasse sozinha. Não é porque você não fala duro que não grita. Até o seu silêncio briga. Eu não sou calma, mas tá toda alma que eu tenho ali. aqui. lá. onde você vai sem me dar um beijo? Tem que beijar, sim. Quando chega, quando vai, quando fica, o tempo todo. Quando a gente tem vontade de encontrar a novidade de uma pessoa. APITOU AQUI. PÃÃÃ. era você, me marcou num meme idiota qualquer que me arrancou uma risada sincera do meio desse texto que não faz sentido nenhum. Você não faz sentido nenhum. Você perde a eloquência fora de sala de aula – eu tô falando comigo mesma. Eu não faço sentido. Você tá melhor? Tá se cuidando? Eu não consigo não cuidar. Eu vou cuidar do seu jantar, do céu e do amar, de você e de mim. De mim? Eu tendo a esquecer de mim. Um dia você disse que me punha no colo e cuidava, mas tem dia que eu não deixo, eu sei que eu não deixo e eu fico desprotegida. Você me protege de tudo, mas não me protege de você. Você me oferece sua história inteira, mas quando você olha pra ela, eu viro areia. Não se esquece que eu também gosto de você. Não se endurece porque eu também te amo, não se endurece. Você guarda rancor, não guardo. Eu guardo, guarda. Guardamos. Tudo volta, sempre volta. Trinta e cinco horas discutindo que no fim, tá tudo bem, eu gosto de você, você gosta mim. Você todo cacto, eu balão – e o contrário. E não vou citar aquela música não. Eu ando num labirinto e você numa estrada em linha reta. Você tem que trabalhar, eu tenho que escrever. Eu só consigo contar algumas coisas pra você. Porque se a gente fala, é verdade, e tem coisa que só pode ser verdade pra você. Nem todo mundo tá pronto para essa verdade. Meu amor, você me dá sorte. Eu não queria te chamar de meu amor, saiu, meu amor, saiu assim, que nem sai outras coisas de mim que eu não tenho controle. Escorre, saiu. Falei: meu amor. E agora? Tudo bem, chamo todo mundo de meu amor. Mas sabe, isso tem nome. Te falei, você não perguntou. Por que você é tão devagar? Tem nome, eu disse e você não disse “que nome”? Ficou quieto. Será que você sabia o nome do inominável? Aquilo que a gente não pode pronunciar. Exatamente aqui, olhando pra você. Não pode falar, se falar é verdade e a gente ta tentando se entender, a gente sempre se entendeu, a gente nunca tentou. Medrosos do caralho. Se você me prometer não fazer mais cócegas, eu prometo não mais esconder nada. Eu vou trancar você pra fora do carro, fazer careta, comprar chocolate, morrer de cólica e reclamar muito, porque isso tem nome. Porque tem textura. Porque tem gosto. Porque não é perfeito. Porque toca no rádio. Isso tem nome, você sabe. Porque a gente se pergunta se devia, se não devia. Tinha que ser ideal? Não é. T Feito chã de hortelã. Tem dor, tem sono, tem preguiça, não acelera o seu coração. Não tô no prato de macarrão, mas eu faço o macarrão e onde tiver meu gosto, tem eu e tem você. Tem gosto bom. Tem que beijar nessa hora também. Tem que beijar com a boca lambuzada de bacon. Tem que beijar, sim. Tem que ficar mais calma. Chama o palhaço. Alguém zela por ti. Tira o sapato, tira a mala, eu só reclamo, você só reclama. Não fala de trabalho, fala da gente, mas a gente é só trabalho.  Põe gif, como põe gif? Explica de novo, me conta de novo, eu escuto de novo se for por você. É por você. Tem nome isso. Mas eu não vou dizer, você vai saber.

Eu não vou dizer, mas você vai ouvir.

Eu não vou escrever, mas você vai ler.

Tudo nessa vida tem nome, até o que a gente não consegue dizer.

Resultado de imagem para cactos desenhos gif

Standard
Poeminto

Não dê

Não dê a qualquer um os seus poemas

Eles são fracos demais para aguentá-los

culpam os outros, contornam o espaço

para negar tua rima entregue.

Não importa os olhos que lhe comovem

Não dê a qualquer um os seus poemas

Rasos, fundos, úmidos, secos

Falta mão para segurá-los

Os poemas gritam no colo dele

e você mal pode acalmá-los.

Não dê a qualquer um os seus poemas

Se a tocam fundo é porque levam consigo

O que há em você de mais esquecido

Não importa que mãos a enlaçam

Não dê a qualquer um os seus poemas

Que a palavra uma vez dita

faz do sonho falado a ação vivida

e faz da história imaginada

a verdade fundante desse mundo.

Por isso

escuta

NÃO DÊ A QUALQUER UM

(os seus poemas)

 

Eles são a sua proteção mais certa

da sua expressão mais errada.

varo

 

Standard
Tra-lá-lá

Sobre cafés e mulheres

Há muito tempo não fazia café árabe, do jeito que a minha mãe ensinou, logo que acordava. Ele é um café que não se faz para uma pessoa só e eu morava há um tempo sozinha. Deixava para fazer quando tinha gente em casa.

Agora, tenho uma companheira de casa, uma grande amiga, uma mulher que todo dia me ensina um pouquinho.

Curiosamente, enquanto eu fazia o café pra ela – a Gabi -, eu recebi a mensagem da Miriam, dizendo que sentia saudade do meu café. E fui me lembrando de algumas pessoas muito especiais pra mim que gostam muito do meu café – gente até que nem gosta tanto assim de café, mas gosta do meu.

Olhei pra Nespresso com carinho. Ela me salva na correria do dia a dia, é verdade, mas é claro que ela não é o meu café. O meu café não tem só café. Tem café e tem carinho. Tem café e tem história.

Sabe quem me ensinou a fazer café? Eu já disse lá em cima, minha mãe. Ela que me ensinou a acolher as pessoas na minha casa, no peito, no meu colo, no meu abraço.

Minha mãe tem o melhor abraço do mundo, o meu fica pequeno perto do ela, mesmo ela sendo cotoquinha. Ela também tem o melhor café do mundo, mesmo que eu ache o meu muito bom.

Café sempre vai ter pra mim um quê de cuidado. Não faço café pra qualquer um, não. Até faço na Nespresso, mas não dá para colocar amor e pó na água de quem não sabe retribuir. Em quem não aprendeu a amar.

Hoje, então, enquanto eu fazia café pra Gabi eu agradeci minha mãe. E minha avó que ensinou minha mãe. E minha bisavó que ensinou minha vó. E todas as mulheres que às precederam com tantos cafés, amargos e doces, como a vida diz que é.

E à Gabi, por estar ao meu lado. E, mentalmente, à Miriam, que me lembrou da importância do meu café e das mulheres que, lado a lado, constroem, quente como café, a minha história.

Minha mãe vai achar esse texto liiiiindo. Ele é bobinho. Mas ela me ensinou, também, a ver a beleza nas menores coisas. O mundo é lindo mesmo, mamãe.

cafe

 

Standard
Cartas d'ela.

Não, fica.

Não é raro encontrar por aí pessoas que repetem de peito cheio “não quero namorar” ou “não estou pronto para relacionamentos”. Eu sou uma dessas – ou fui, não sei.

1

A gente tende – com razão – a achar melhor se preservar quando acabou de sair de algo doloroso (e por melhor que seja um término, ele sempre será inevitavelmente doloroso).

O tempo, para gente que tem a dor fresca na pele, é tão importante. Voltar a entender do que a gente gosta, o que a gente é, ter controle total sobre os nossos dias, planos e sonhos. Olhar bem pra dentro e reconhecer os nossos valores.

Será que eu gosto mesmo de tapioca de manhã ou era o costume?

Nossa, que sabor que tem uma pizza de sexta depois do trabalho, eu nem lembrava!

Prefiro vinho a cerveja. Sim, no calor, também.

Eu não sou uma pessoa difícil.

3

Eu já pulei de uma relação para outra sem ter me dado nenhum tempo e me senti mal, e me confundi muito. Eu – que não sou ninguém pra dar pitaco na vida alheia – sempre acho saudável aquele tempo sozinho, ruminando os caminhos de dentro da gente. Essa coisa de ficar migrando de uma história a outra me soa uma carência latente, quase um desespero para fugir da solidão. Gente que tem medo de silêncio tem medo de si mesma.

2

Apesar disso a vida não para. E ela atropela a gente com uma história que ninguém planejou, ou que as pessoas, nem as mais insanas, cogitariam que poderia acontecer.

Optamos, porém, por ficar sozinhos. Porque a gente não está pronto.

Andei pensando – mais observando, na realidade – o momento em que essa vontade de ficar sozinho (porque é saudável e bom) vira uma casca impenetrável. As pessoas, às vezes, se convencem tanto (mas tanto!) que devem ficar sozinhas que sabotam seus próprios sentimentos e intuições. O corpo todo diz que sim, cada poro diz que sim, mas  o cérebro acha melhor não.

E pior: deixam passar pessoas incríveis, experiências plenas, histórias que ficam sem contar.

4

É engraçado que nós – os autosabotadores do amor – pensamos: MAS EU NÃO TAVA PROCURANDO, EU QUERIA FICAR SOZINHA.

Eu também não estou procurando emprego, mas eu recusaria uma super proposta?

Eu também não estou procurando uma viagem para o Nordeste, mas eu recusaria se ganhasse um sorteio?

Eu também não estou procurando amigos, mas recusaria um amigo?

Não, não e não. E tem pessoas que aparecem nas nossas vidas que são infinitamente melhores que um emprego, uma viagem ou amigo. Tem gente que só de estar faz da quinta-feira de tarde virar um sábado de sol no nordeste.

Tem gente que não é emprego novo, mas renova o jeito da gente ver o nosso.

Tem gente que não é amigo novo, mas relembra pra gente o que significa cumplicidade.

4

Não há, eu imagino, nada mais legal do que gente que está inteira nas coisas: no trabalho, nos estudos, nas conversas, nos almoços. Toda vez que a gente acredita piamente que não pode se entregar a algo que está bom, a gente fica pela metade.

E quem tem só metade – eu me lembro de ter escrito uma vez – não tem nada a oferecer.

Que esse texto seja uma lembrança cotidiana que não tem “nada a ver ficar sonhando separado, se no fundo a gente quer o dia a dia, lado a lado”.

Pra mim, pra você, pra quem, mesmo relutando, sabe que tem coisas que a gente não pode deixar ir assim.

Standard
Cartas d'ela., Pensamento Desvairado

Vamo lá, time.

Não contra, junto; não versus, mas versos. Disparados no placar. Não há adversário que dê conta. Se você ganha, eu também ganho; se você perde, eu divido a culpa. Se eu posso, você topa; se você não pode, eu me ajeito. Sem jogo, pra gente não competir. Sem tacada, sem mentira, sem conversinha.

só a nossa boa e velha honestidade.

só o nosso bom e velho papo.

O maior erro é quando a gente faz do amor um jogo. Porque eu sou competitiva. E eu vou ganhar, eu sempre vou ganhar: ou eu ganho, ou o jogo acaba. Se você fica do outro lado, perco eu, perde você; perdemos nós os nós.

O maior erro é quando a gente faz do amor um jogo. Sabe o senso de pertencimento? Eu quero pertencer a você. Eu gosto de você lutando por mim assim como eu vou lutar por você. Gosto como a gente forma uma boa dupla. Gosto de como a gente fica mais forte. Não é que a gente precise; mas funciona melhor assim: tipo gangorra, eu quero ser teu impulso.

Sozinha eu dependo do chão pro meu balanço voar. Com você, só dos seus braços e do empurrão certo.

Não vai ter medo, sabe? Ninguém tem medo quando sabe que, se cair, tem quem segure. Que se tudo girar, tem quem centralize. Que tem alguém que fecha com você.

O amor acabou quando eu tentei ser mais que você e não mais com você. O amor acabou – e seguirá acabando – quando você quiser sorrir acima de mim e não comigo. O amor acabará quando você não puder mais comemorar as minhas vitórias cansadas e chorar meus cansaços vencidos.

Dupla é de dois. De um nem é time, não. Se a gente vai juntinho, vai bem.

Porque nós dois somos um time campeão.

maos-dadas

 

Standard
Poeminto, Tra-lá-lá

Cantiga de sorte

Eu não sou esse batom vermelho

nem as minhas tatuagens.

Eu não sou essas roupas coloridas,

nem as milhões de bijuterias balançando e te distraindo.

Eu não sou essa cerveja,

nem essa ressaca.

Gosto do sacolejo da música que toca ao fundo da gente.

exatamente aqui, olhando pra você.

Eu não sou, lembre-se sempre, essa história mal contada de mim.

Eu não sou as suas expectativas – uma pena,

eu não sou seu ideal.

(nem seu mal, nem seu mal)

Eu não sou aquela aula,

nem o livro que eu carrego debaixo do braço.

Eu não sou só a fome

mas queria mastigar cada pedacinho de você.

Eu não sou os meus textos,

nem meu apartamento bagunçado.

Eu não sou essas plantas,

nem o leite,

nem o suco,

nem as frutas que eu trouxe pra ti.

Se eu pudesse,  quer saber, acho que eu te engoliria.

Porém

eu não sou esse vestido preto,

nem esse comentário confuso

Eu não sou nem poeta,

nem nada de novo no mundo.

Eu não faço a mínima ideia do que eu sou

e de quantas de mim eu ainda posso criar.

Um universo todo

uma mulher

– sortuda, isso eu sou!-

‘múltipla, desarticulada, longe como o diabo’

é só amor que me fixa nos caminhos do mundo.

 

picasso7

Standard