Feminismo

Feminismo não é modinha.

Ninguém no mundo é obrigado a saber tudo. Inclusive, quando alguém acha que sabe, corre o risco mais sério que a vida pode ter: deixar de aprender.

Entretanto, acho complicado quando algumas pessoas, no auge da sua ignorância, vangloriam-se por não saber. Quando alguém diz para mim que ‘não sei nem quero saber’, pisca uma placa de neon em cima da cabeça desse indivíduo: IDIOTA – usando termos adequados para qualquer tipo de moralismo.

Ouvi por aí algumas pessoas – mais homens que mulheres, pelas MINHAS estatísticas – dizendo que, por causa do ENEM, o feminismo entrou na moda.

E eu só consigo pensar que as pessoas que dizem isso.

  1. Nada sabem de feminismo;
  2. Nada sabem de moda.

E aí voltamos à primeira frase deste post: ninguém no mundo é obrigado a saber tudo. Mas, não sabendo, convém que não se manifeste falando abobrinha –injusto, gosto de abobrinha – falando bosta mesmo.

Para começar que feminismo não é um, grande gênio da humanidade. Ademais, o feminismo é anterior até a sua mãe. A grande força que deu início ao movimento feminista foram as ‘sufragistas’, que, se você pesquisar no generoso pai dos burros, tem relação com o sufrágio. Ainda não entendeu? Voto. Isso. Dá época que mulher nem podia votar. Na verdade esse é o movimento que ganhou maior repercussão midiática. Registra-se, desde 1837, o termo feminismo para se referir às mulheres que lutavam por direitos contratuais igualitários.

Para finalizar – porque eu não tenho tempo a perder – moda se define pela sua sazonalidade, efemeridade, isto é: PASSA.

A moda existe para entretenimento e ninguém quer que ela acabe. (o, espertão, favor não confundir moda com padrão estético, ok? Vai ler um cadinho, vai)

Nós, feministas, sonhamos com o dia que o feminismo acabe. Sabe por quê? Significará que o movimento fez o que devia ter feito: libertou as mulheres.

Acontece que isso está distante. E a gente precisa lutar. E a gente vai continuar lutando – cada vez mais e em maior número. O crescimento progressivo não é modinha, porque modinha é cíclica e o nosso movimento não retrocede: SÓ CRESCE.

Eu sei, a ignorância é uma benção. Siga com ela se lhe aprouver, MAS NÃO ENCHE OS MEU PACOVÁ.

nye

esse livro é da Andrea Nye, uma teórica feminista. Para te ensinar que teórica feminista não é só a Beauvoir, que você mal sabe quem é, mas já despreza pacas.

Anúncios
Standard

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s