Pensamento Desvairado, Tra-lá-lá

Deixa eu bagunçar você?

Eu sou muito bagunceira. Sempre fui. A minha mãe, uma santa, tentou inutilmente me ensinar que as coisas aparecem mais fácil se a gente as deixa sempre no mesmo lugar. Ela também tentou me ensinar que se a gente arruma sempre, não precisa passar dois dias para deixar o quarto habitável. E que seria uma boa devolver o que a gente tirou e não usou. Ela tentou, coitada, e eu – não por maldade, eu juro – nunca consegui aprender. Eu bagunço muito, o tempo todo.

IMG_4283.JPG
É assim: eu sou ansiosa demais pra procurar as coisas com cuidado, apressada demais pra devolver tudo. Louca demais pra me achar na organização. Não acho que existe um lugar óbvio para as coisas ficarem; além disso, é muito chato que alguém diga que existem posições óbvias para a gente ocupar. E se, por um lado, às vezes tenho raiva de mim mesma por ser assim – tipo quando tô com pressa e não acho minha chave – por outro, devo dizer, tenho uma espécie de orgulho. Afinal, todo bagunceiro de verdade é, por excelência, um antirrotulador e alguém que gosta das coisas bem juntas.
IMG_4835.JPG
O fato é que, sim, eu sou desorganizada: em todos os cômodos da minha casa, mas também meu cabelo e minhas roupas; minha lousa e minha geladeira; meus sonhos e as minhas opiniões. Tudo em mim está misturado e é muito difícil que se separem. Todas as partes de mim se confundem entre si e, às vezes, não me deixam decidir qual das minhas versões é que fala agora. 
Queria dizer, mãe, que às vezes é bom não saber nem onde, nem como as coisas estão. Que procurar de novo pode nos fazer achar algo incrível que a gente nem percebeu que tinha perdido. E que fazer uma limpeza no armário e no coração, depois de acumular muita bagunça, pode ser libertador.
IMG_4836.JPG
Na minha casa, tem livro na cozinha, tem café no quarto, tem sabonete na sala. Lá, as minhas amigas esquecem suas coisas. Lá, tem sempre uma xícara de chá esquecida no canto, uma rolha de vinho jogada por aí. A minha casa, igual a tudo o que eu tenho dentro de mim, não segue nenhum padrão de organização. Isso porque, lá e aqui, cabe todo mundo, sempre. Não tem essa do lugar ser só de uma pessoa, a galera toda é bem vinda e a minha bagunça sempre pode acolher.
img_4833
Casas arrumadas demais, impecavelmente organizadas, não recebem pessoas. Casas com tudo exatamente no lugar não recebem nem os amigos, nem a ressaca deles. Casas impecáveis não tem espaço pra vida, pra soneca pós almoço, pra ver filme, comendo chocolate no sofá. Onde houver vida humana, tem que ter bagunça. Onde houver amor, vai ter roupa jogada no chão: porque o amor, às vezes, tem muita pressa. Casas não podem estar perfeitas se, afinal, pessoas imperfeitas habitam nelas…
Aliás, desconfio, que isso diz mais do que casas: pessoas que sabem muito bem a que pertencem, quem são, o que estão fazendo aqui  são iguais as casas em que o tapete não se mexe: não tem mais ninguém caminhando dentro.
É por isso que o verso faz todo o sentido do mundo: deixa eu bagunçar você?
Anúncios
Standard

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s