Pensamento Desvairado

Da incompetência

O mundo tem mais gente incompetente do que ruim. O mundo tem mais gente que faz errado do que certo, porque simplesmente não tem competência pra fazer o certo. Tem mais gente desonesta que honesta porque é mais fácil. Tem mais separação do que tentativa porque é menos doloroso. Tem mais individualidade do que coletividade porque é infinitamente mais fácil trabalhar sozinho. Trabalhar sozinho é bem sussa: você lida só com suas neuroses, seus problemas e suas dificuldades. Não tem essa de diálogo, de empatia, de tentar fazer diferente. É só continuar errando e acertando sozinho, da maneira incompetente de sempre. Incompetência tem menos a ver com resultados do que com processos. Tem gente que não sabe proceder. É infinitamente mais easy ser sozinho e as pessoas quase nunca têm competência para fazer diferente.

Eu sei da maldade do mundo. Mas tendo a achar que tem gente que não tem competência pra ser mal, ruim cruel: a maldade exige inteligência e algumas pessoas simplesmente fazem o que fazem porque sequer saberiam fazer de outro modo. Tem gente que age como age porque não descobriu que a chave que liga o “agir diferente” também liga o “ser diferente”. E as pessoas mudam de roupa, de estilo, de desejos, mas o que elas são não tem coragem – às vezes, competência  – pra mudar.

No universo de incompetentes, também temos os competentes: tem gente que sabe pra que veio ao mundo e pra que não veio; tem gente que tem competência até na hora de explicar o óbvio (é preciso inteligência pra falar o óbvio); tem gente que sabe estar com as pessoas, sabe fazer companhia. Há os competentes e eles estão aí: dividindo uma cerveja, acordando amassados, lidando com a vida porque a vida lida com eles. A competência é uma questão de humanidade. Todo mundo pode, mas nem a todo mundo convém, porque existe na competência uma consequência perigosa que é topar de cara com a felicidade.

E ser feliz exige muita competência.

 

p2.jpg

 

 

Anúncios
Standard

One thought on “Da incompetência

  1. lguilhermedds diz:

    Eu concordo em gênero, número e grau.

    Existe até uma certeza beleza cruel numa maldade bem elaborada, mas a maior parte do tempo é só escrotisse e descaso.

    A gente precisa aprender a se apaixonar pelas pequenas coisas que fazemos bem. É tanto cinismo, tanta preguiça que dá uma canseira só de pensar em interagir com as pessoas do mundo.

    Belo texto.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s